Qual a Diferença entre Confecção e Facção de Roupas?

Na indústria da moda existem vários termos desconhecidos que podem deixar as pessoas confusas, principalmente quando estão no começo da carreira, esse é o caso por exemplo de facção e confecção.

Além de serem parecidos verbalmente, a dúvida pode surgir devido às suas atividades também. Inclusive, muitos empresários do ramo hesitam entre os dois modelos, devido às vantagens e desvantagens de ambos.

Se você faz parte de algum desses dois grupos, continue lendo esse post para entender de uma vez por todas a diferença, vantagens e desvantagens entre confecção e facção de roupas.

Confecção

De forma simplificada, uma confecção de roupas é uma empresa que transforma diferentes matérias-primas, como tecidos (algodão, linho, viscose), linhas e botões no produto final, como camisas, calças, casacos e tudo o que pode envolver roupas, por meio de uma produção em série.

Nela trabalham costureiras, designers, cortadores e estilistas, que são responsáveis por criar, fabricar e vender seus produtos, seja em uma loja própria, de amigos, parceiros ou como fornecedores.

Inclusive, existem dois modelos de confecção que podem ser seguidos: encomenda ou criação própria.

No primeiro caso, é necessário aguardar os clientes, que solicitam o pedido, fornecem o modelo da peça e estipulam o prazo desejado.

Geralmente os compradores são empresas, lojas e terceirizados, que podem solicitar diversos tipos de roupas, sendo um deles o uniforme.

Já na criação própria, a empresa se torna uma marca, criando suas próprias peças e direcionando a venda às boutiques, por exemplo.

Esse modelo é o mais lucrativo e atrai muitos empreendedores.

Contudo, não é fácil como a maioria pensa, visto que é preciso criar uma marca do zero, ter um estilo próprio, estudar tendências, pesquisar o mercado e principalmente criar um planejamento estratégico. Sem isso, é muito difícil a empresa ter sucesso.

Veja Também: Guia de Fornecedores de Roupas no Atacado

Facção

Já a facção é uma empresa no ramo da moda que irá terceirizar um processo para a confecção. Ficou confuso? Calma!

É de conhecimento geral que o processo de fabricação de roupas é extenso e trabalhoso, envolvendo muitos passos, como criação, modelagem, corte, montagem e por fim o acabamento.

Sendo assim, muitas empresas preferem terceirizar uma parte do processo total. Geralmente, elas criam o modelo da peça e solicitam sua produção para as facções.

A empresa envia o pedido com o modelo pronto e estipula o prazo, e após a entrega, a confecção é responsável por analisar as peças, conferir o padrão e a qualidade das mesmas, sendo que se estiver como solicitado, já é possível comercializá-las.

No entanto, se engana quem pensa que a facção terceiriza apenas a produção. Ela pode criar a peça piloto, o estilo da peça, modelagem, corte, costura, estampa, bordado, tecelagem dos fios, tingimento… Ou seja, praticamente todos os processos da confecção podem ser terceirizados.

Esse modelo é bastante utilizado por produções em maior escala, visto que para produzir poucas peças o custo da logística não compensa.

Além disso, se tem maior controle no processo total, assim como empresas que não possuem especialistas em todas as áreas, pode contratar a facção para isso.

Recomendado: Meu Negócio Não Para Campanha da UOL para Auxiliar Empreendedores

Diferença entre confecção e facção

Resumindo, enquanto a confecção pode possuir modelos para criar, produzir e vender, ou somente produzir sob encomenda, a facção é aquela que irá realizar apenas uma parte do processo solicitado por uma confecção (para indústria ou comércio), seja o acabamento, bordado, corte, modelagem, entre outros citados anteriormente.

Dicas extras

É muito importante que o empresário tenha profundo conhecimento sobre as necessidades de sua produção e a capacidade da mesma, visto que só assim irá saber se existe a necessidade ou não de realizar a contratação de uma facção.

Além disso, é imprescindível saber qual o custo do produto para ser fabricado interna ou externamente, para então realizar um pagamento justo à facção, não sendo nem muito alto nem muito baixo.

Ao decidir realizar a produção externa, é necessário também incluir no cálculo os custos de logística, supervisor externo, entre outros.

Outro fator a ser levado em conta é o número de peças por modelo, ou seja, quanto maior esse número, maior será o interesse para a fabricação interna.

Na fabricação externa devem ser modelos com menores quantidades, visto que na produção o momento crítico é aquele em que ocorre a troca do modelo. Portanto, quanto menor o número do mesmo molde, menor será a eficiência da produção.

É fundamental entender que mesmo a facção sendo uma parceira de confiança, é muito importante realizar o acompanhamento contínuo da qualidade, prazos de entrega e padronização.

Isso porque, a confecção é a responsável pelas peças, respondendo por qualquer prejuízo ou desgosto por parte do cliente, independente se elas foram produzidas externamente ou não.

Por fim, não se pode afirmar quais empresas devem ou não contratar uma facção, visto que cada uma possui suas particularidades e necessidades, sendo ela mesma a responsável pode realizar estudos referentes ao custo-benefício de se produzir internamente ou escolher as facções.   

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *